A Agressividade nas Crianças Pequenas

  Bom dia flores, tudo bem? Vocês sabem que gosto de colocar no blog situaçõs do meu dia a dia e quando essas situações não são das melhores, acho mais importante ainda pois procuro dicas para resolvê-las e também conto com a opinião de vocês. Essa semana foi uma semana difícil noquesito "buscar meu filho na escola" pois quando chego lá sempre pergunto como ele se comportou e dessas vezes as respostas não tem sido boas.

 

  Meu filho é uma criança carinhosa e inteligente, convive bem com as pessoas e não se importa em compartilhar um momento ou um brinquedo mas tem feito coisas que tem me deixado preocupada, por exemplo: Ao ouvir um não, o Cauã não quer dialogar, não aceita argumentos, grita e chora como se não tivesse condição de expor suas idéias e o pior, agora responde à professora na escola!

 

  Mesmo que inocentemente, sem saber o quanto pode estar errado, fico triste em ver essas atitudes no meu filho porque sempre me preocupei em oferecer a ele um ambiente saudável e moderado e agora estou buscando o caminho de reverter esse comportamento. Estudando, descobri que essa difculdade não é só minha e que uma das grandes dificuldade dos pais é lidar com a agressividade de seus filhos.


Vejam a matéria que achei no Guia do Bebê:

Quando o bebê nasce, ele traz impulsos amorosos e agressivos, e a medida que vai sendo cuidado pelos pais, passa a construir vínculos afetivos e a desenvolver seu relacionamento interpessoal.
Essa fase é muito importante, porque assim, ele passa a conhecer o mundo à sua volta e a alicerçar sua personalidade. Sendo assim, é necessário que sinta-se cuidado e protegido.
Com o passar do tempo, a criança tem nos pais um modelo e então relacionam-se com outras pessoas assim como seus pais o fazem. Se têm um relacionamento calmo, é assim que a criança se comportará na maioria das vezes, e se têm um relacionamento mais conturbado, ela provavelmente seguirá esse modelo de comportamento.
O comportamento agressivo na criança é normal e deve ser vivenciado por ela. O grande problema é que ela não sabe como controlá-lo. Normalmente, acontece quando sente-se frustrada ou quando necessita mostrar aos pais que algo não vai bem. Muitas vezes a criança provoca um adulto para que ele possa intervir por ela e controle seu impulso agressivo, já que ela é pequena e não tem condições de fazer por sí própria. Por isso precisa de um "para com isso" ou "eu não quero que você faça". É como se ela pedisse para levar uma bronca. Nessa hora é como se o adulto emprestasse seu controle para a criança.
Assim como os pais a ensinam andar, falar etc... também devem ensinar a criança a controlar sua agressividade e aprender a hora certa de colocá-la para fóra. O importante é que os pais tenham bom senso tomando cuidado para que ela não seja terrorista ou submissa, ou seja, nem permitir tudo para a criança e nem devolver a agressividade dela com outra agressividade.
Educar crianças é uma tarefa difícil e requer trabalho, mas o que vale é tentar acertar, ter equilibrio e consenso entre os pais para que na educação da criança não ocorra falha de dupla comunicação. Se um dos pais permite tudo e o outro não permite nada, isso só confundirá a criança.

O que acham amores??? Vocês já passaram por essa situação? Como conseguiram resolver??? Conto com a opinião de vocês.


Beijinhos.

 

4 comentários:

  1. Oi Bruna, com certeza nos dias de hoje é bem difícil educar os filhos, tem pais que não colocam limites e regras, sendo que é para o bem deles. Se não, que adolescentes e adultos vão se tornar? Meu filho tem seus momentos de birra, mas sempre converso com ele e tento explicar que tudo que os pais fazem é somente para o bem...
    Não se preocupe, converse bastante com ele, tenho certeza que você é uma ótima mãe e as coisas vão se encaixar!
    Bjos

    ResponderExcluir
  2. É muito dificil lidar com isso
    meu filho as vezes tem algumas atitudes agressivas, tento conversar sempre.

    ResponderExcluir
  3. Você tem que primeiro saber se ele está agressivo ou apenas mimado ou ainda testando os limites ,tenho um filho único agora com 17 anos e sim ele foi e ainda é muito mimado,mais também é muito educado,pois eu e o Sergio temos um acordo de que o pai não passa por cima das ordens da mãe e vice-versa,sempre que discordamos(e são muitas vezes)vamos para o quarto fechamos a porta e discutimos,ate chegarmos a um acordo,assim não existe chantagem sentimental,claro que sempre rola uma culpa,mais receber um elogio a boa educação dele não tem preço,agora você não pode permitir que ele desafie a autoridade da professora,caso você note que ele não gosta dela,que ela não sabe lidar com ele,mude ele de classe,pois as vezes as crianças precisam de professores mais energicos,outras crianças precisam de professores mais amorosos você deve estar atenta a isto também e para finalizar passe por um pediatra e peça exames p/vermes eles deixam a criança irritada e briguenta..o único problema que tive com o Junior na escola resolvi com vermifugos..

    ResponderExcluir
  4. Não tenho filhos para falar.. Mas acho que tudo influencia. O meio em que a criança vive,as influências que ela tem, a educação e a maneira que os pais e familiares agem com ele. Ou as vezes simplismente ela é assim, denota essa agressividade, e ai o diálogo é fundamental.

    Minha opinião ;)

    ResponderExcluir

Comenta aí vai... é quando você comenta que eu melhoro o blog e faço ele ficar do jeitinho que você quer ver.