CARNAVAL! Até quando?


Opiniões pessoais são sempre facas de dois gumes. Tem gente que aplaude e fala “é isso aí” , mas sempre tem alguém pra criticar e é pra isso que estamos aqui... pra compartilhar opiniões e aproveitar a liberdade de expressão que temos. Posso falar minha opinião?

Sem pesquisar sobre o assunto, não sei ao certo qual é a origem do carnaval, sei que é a festa da carne e pra saber o motivo do nome, dispenso o google.

Há 10 anos atrás, o carnaval ainda era uma folia em família. Os pais levavam seus filhos para as avenidas de suas cidades para assistir aos desfiles, para contemplar as alegorias, sambar muito e deixar as crianças se divertirem com suas fantasias inocentes. Nessa época, o carnaval movimentava os centros das cidades, gerava uma alta nos comércios e trazia o povo pra cultura do nosso país, que está diretamente relacionada ao samba e em algumas regiões, ao candomblé.
Hoje, o carnaval movimenta muito mais os hospitais, cemitérios e delegacias do que o comércio em si. Aliás, se tem alguém que tem muito lucro com a famosíssima festa do “povo” são os traficantes de droga, os bares, as indústrias do álcool e do fumo, as indústrias de remédio e os farmacêuticos – sem esquecer das clínicas clandestinas de aborto, que daqui um ou dois meses estarão operando a todo vapor.
Foram mais de 2.500.000 brasileiros pulando atrás de trio elétricos só em Salvador –BA e o saldo foi de mais de 5300 ocorrências, 90% por lesões no rosto. Pessoas alcoolizadas dirigindo pra tudo quanto é canto pelo país inteiro e um saldo absurdo de acidentes. Pessoas armadas no meio do povo, sob influência de álcool e droga. Em Nova Iguaçu, uma menina tomou um tiro no rosto por não querer “ficar” com um rapaz.
Antigamente, o Carnaval era um meio de tornar nosso país popular no exterior. Chamar a atenção do mundo para a nossa cultura, para o nosso povo e automaticamente, para os nossos problemas sociais e políticos, por isso, era de grande valia. Hoje, o Brasil é respeitado no mundo inteiro por sua economia, por sua política e pelo seu povo. Um brasileiro é respeitado no exterior como JAMAIS poderia imaginar ser a uma década atrás. Será que ainda precisamos de carnaval? Vender a imagem do país com sexo fácil e barato? Das mulheres “gostosas” e sem pudor? É isso que nós queremos que pensem a nosso respeito?
Em que lugar do mundo, uma mulher sai na rua com os seios de fora e é considerada parte da cultura daquele país??? Enquanto estamos falando de índios, posso aceitar isso. Mas quando imagino uma advogada, médica, professora ou uma mulher qualquer, que tem marido e filhos tirando sua roupa e indo para a avenida sambar como uma doida sem juízo, não sei se isso me convence como “cultura”. Afinal: cultura não precisa de ocasião pra acontecer.

Se você gosta de ARTE, pode continuar apreciando a visita a pinacotecas em qualquer épocao. Se gosta de MPB, pode ouvir no seu mp3, celular, carro, computador ou em casa, na tv ou no dvd. Não precisa mudar durante o ano. Se você aprecia a leitura, pode ler dentro do ônibus, na fila do banco ou em casa, não precisa esperar um mês para fazer. Se as atitudes do carnaval pudessem ser aceitas como ARTE, como cultura... porque as brasileiras não vão para os sambas completamente nuas como vão para as avenidas? Porque as pessoas não andam todos os dias na rua pulando agarradas com garrafas de cerveja nas mãos? Suadas, alcoolizadas e se agarrando umas as outras como se “todo mundo fosse de todo mundo” e aquela multidão fizesse parte de uma grande orgia? Não concordo. Por mim, o carnaval poderia acabar.
O país do feriado para durante 4 dias, onde os funcionários públicos (eu me incluo, porque sou) ficam sem trabalhar, enquanto seus salários são pagos pela população. Milhares de profissionais da educação, do transporte, da polícia, da medicina, da gestão pública, passaram seus dias viajando e descansando, enquanto a população paga por isso. Muitas pessoas foram internadas, ocuparam espaço dentro de hospitais (que por sinal, já sofrem com a superlotação e falta de vagas) tirando lugar de pessoas enfermas e doentes para tratar de bebedeira ou consequências de violência gratuita – isso sai do nosso bolso. A droga comeu solta e a polícia estava muito ocupada na segurança dos sambódromos, enquanto isso, centenas de caixas eletrônicos – inclusive de bancos federais e nacionais (que também comem nosso dinheiro) foram explodidos pelos ares e nosso suado dinheirinho também.
No próprio sambódromo rolou violência pra tudo quanto foi lado aqui em São Paulo. Cadeira voou, posto de gasolina foi assaltado, pessoas desmaiaram, fogo foi ateado em vários pontos, polícia, ambulâncias e bombeiros que poderiam estar ajudando na vida da população de bem, estavam lá acudindo e socorrendo marginais, cumprindo seu dever de fazer o bem sem olhar a quem.

Prevaricação, violência, apoio ao tráfico e ao consumo de drogas e álcool, disseminação de doenças sexualmente transmissíveis, gastos ENORMES do serviço público (que sai do nosso bolso) com banheiros, segurança, limpeza, prestação de socorro... vidas ceifando sem motivo, acidentes terríveis nas estradas, brigas de trânsito pavorosas, etc, etc, etc

Não adianta me dizer que tudo isso vale a pena por uma folia de 4 dias. Porque ao meu ver, uma vida vale mais que o mundo todo. Uma festa onde o saldo é sempre de mortes, feridos e acidentados, não compensaria nem que todo mundo terminasse milionário, famoso e feliz da vida. O que não é o caso. O carnaval vem, deixa seus mortos, suas vítimas e todo mundo volta pra sua vidinha na quinta-feira.

ACORDA BRASIL. Carnaval, até quando?

11 comentários:

  1. Estou de Pleno acordo sem tirar uma vírgula sua! Parabéns pela postagem! Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Esse é o Brasil que vivemos.
    Não gosto de carnaval, fui pela primeira vez para praia nesta sexta e passe io carnaval lá.. Mas não tinha nada disso, tinha muita música, muita gente, mas nada de nudez ou gente ficando com várias, sabe aquela Putaria, não tinha...Ainda bem, prq prestei bem atenção nisto que se acontecesse não iria mais.

    Mas como sabemos isso existe sim e me dá nojo.

    Qnt a violência é lamentável e triste mesmo.

    ResponderExcluir
  3. Tema polemico em, mais eu também não entendo pra que carnaval se o que mais rola na avenida é violecia! O problema é que a midia só divulga a parte colorida da festa!

    ResponderExcluir
  4. Eu acho meio dificio de o BRASIL acordar, enquanto tiver gente que vai atrás de trio eletrico,outros pagam fortunas (como é o caso do povo das comunidade das escolas de samba) só para ter á sua fantasia e sair no carnaval ,isso náo vai mudar ,é triste mas é a realidade do nosso Brasil!

    ResponderExcluir
  5. Amei o post! Estou muito orgulhosa, Bruna! Parabéns! Assino embaixo e reitero a pergunta: ATÉ QUANDO?

    ResponderExcluir
  6. Ótimo post. É difícil encontrar boas leituras assim por aí.

    ResponderExcluir
  7. Oi amada,concordo plenamente,é muito dinheiro gasto em uma festa simplesmente desnecessária,onde como tu falaste o saldo é sempre negativo,mas infelizmente o povo não tem este intendimento e acho que tudo é cultura,gente cultura é o que vem para acrescentar e não o que vem para tirar e repudiar como sempre acontece no carnaval,que esse povo tenha amor próprio e um pouco de compostura.
    Bjs
    Luciane Oppelt

    ResponderExcluir
  8. Porque tanta violência, morte, acidentes e etc. A bíblia nos responde... o salário de pecado é a morte....
    Sem querer entrar no quesito religião, é notório que tudo que você disse e até mesmo o que não deu pra dizer, né, como por exemplo aqui em Minas em três dias foram registrados 124 mortes nas rodovias fora outras coisas, é o resultado da desobediência do homem.
    Mas aonde quero chegar, é que a humanidade vem perdendo o temor a Deus, não que temos que viver como religiosos, mas sim procurar seguir o que Deus deixou em suas escrituras que não é nada de impossível.
    Beijos no S2.

    ResponderExcluir

Comenta aí vai... é quando você comenta que eu melhoro o blog e faço ele ficar do jeitinho que você quer ver.