Até futilidade tem limite




Ontem estreou na Band o Reality “Mulheres Ricas”, eu assisti, até agora não sei como.

Fake, fake, falso, exagerado, ou péssimo, qual seria a palavra pra definir?

Narcisa Tamborindeguy, Val Marchiori, Brunete Fraccaroli, Débora Rodrigues e Lydia Sayeg protagonizaram cenas de causar vergonha a telespectadores brasileiros, que vivem com um salário mínimo (ou menos).

Ser rico não é defeito, não é problema, muito pelo contrário... se você conseguir conquistar uma fortuna miliardária, parabéns pra você. Se você herdou, poxa, que legal, sorte sua. Casou bem? Legal hein! Mas tipo, ser rico não é necessariamente ser ridículo.
Brunete perdeu sua Barbie e fez seu funcionário enlouquecer atrás de uma boneca. AlooW! Isso não é ser chique, é ser criança! Minha filha dar pity por causa de uma Barbie, ok. Uma velha? Não, nada ok.
Val foi a compra de um avião. Ok, legal ter um avião, se pode comprar, compre, mas não precisa desfilar declarando que comprar um jatinho é como comprar uma nova blusa, claro que não é! Não importa quanto dinheiro você tenha, não é! E pronto! Depois disse que compra carros no shopping sem consultar o marido, mas que pra comprar um jato de 30 milhões precisava de autorização. Ligou pro marido e tomou um não! Claro! Ele não deixou ela comprar a “blusa”.
Ver um empregado levar água em um copo para um cachorro tomar e ouvir alguém dizer que toma banho com água mineral e que “rico tem a obrigação de gastar porque se o dinheiro não girar o pobre não ganha”  pra mim é um tanto ridículo.
O lado mais real do reality foi manifestado por Débora, que apesar de milionária faz questão de educar os filhos com disciplina. Vive bem, tem uma casa maravilhosa, carros maravilhosos e dinheiro no banco, mas não parece uma boneca montada no botox.

Acho que esse tipo de programa serve pra deixar a gente com um pouco mais de nojo desse tipo de gente e principalmente, enfatizar a diferença social no nosso país. Tem gente tomando banho de água mineral enquanto outros bebem água de poço, trazida por quilômetros por um balde em cima da cabeça de alguém. Enquanto umas e outras torram o cartão de crédito na Oscar Freire e chamam o motorista pra busca-las a duas quadras da sua casa, outros pegam material de reciclagem no lixão pra poder comprar leite pros filhos de manhã.

Desculpe, eu tenho uma vida boa, tenho meu carro, minha casa, minha empresa, graças a Deus hoje não falta nada pra minha família, já contei pra vocês como foi difícil chegar até aqui e quantas necessidades já passei. Espero um dia ter ainda mais do que já tenho, mas Deus me guarde da futilidade, do abuso, da extravagância e do egocentrismo. Que se um dia eu tiver condições de comprar um porsche, eu tenha o mesmo valor disponível pra ajudar alguém, as pessoas, pra empregar, pra doar, pra cooperar com alguma instituição, com alguma pessoa, com alguma causa.

Ontem a impressão que tive é de que aquelas pessoas não são de fato felizes, elas estão escondidas do mundo. Não devem participar do planeta em que vivem, não devem ver crianças morrendo de fome, animais abandonados a própria sorte, seres humanos sendo abalados por tragédias.... essas pessoas estão escondidas por trás de uma redoma de vidro que não lhes permite ver o mundo por trás do espelho.

Triste. Estado de luto. Pela moral do ser humano.

18 comentários:

  1. Infelizmente a realidade é essa! E se você acha que pra elas faz diferença se uma criança acabou de morrer de fome, ou frio .. ou derivados do tipo; se enganou. Esse tipinho medíocre de gente, não faz nem idéia da realidade do mundo. Esta muito ocupada gastando seu dinheiro ordinário com futilidades mencionadas acima. O que me deixa muito revoltada é saber que trabalhamos arduamente em busca de melhores condições, não só pra nós, mas também pros nossos semelhantes e ainda assim, não temos sucesso absoluto. Não posso generalizar dizendo que todos os 'bem-sucedidos' do planeta são assim, mas na sua maioria .. certamente!
    Adorei seu post, continue assim ..
    Se pessoas como você tivessem a oportunidade de lançar aos quatros ventos verdades duras como essa, talvez o mundo fosse um tantinho menos egoísta ..
    Um beijo !!

    ResponderExcluir
  2. Gostei do seu post eu nem sabia desse reality bom que nem vou ver também,eu fico tão triste em saber enquanto uns não tem nada e outros tem muito e não sabe com o que gastar!
    Mas fazer o que né? é a vida u.u
    E tenho nojo dessa gentinha hipócrita!


    Go Belezando

    ResponderExcluir
  3. Bruna, super concordo com tudo o que você disse! Parabéns pela crítica!

    ResponderExcluir
  4. Venho desejar um feliz ano novo, cheinho de benção, alegria e saúde!!

    Beijos


    Dri Viaro
    www.driviaro.com.br

    ResponderExcluir
  5. Acho que a unica q se 'salva' dali é a Debora, que apresentou ser uma pessoa normal, e ate preocupada pelo filho nao trabalhar, e fez ele começar a ajudar na empresa, por baixo, o marido tambem parece pé do chão..mas, as outras......putz...esta tal de Val, q falou q ia comprar o aviao..na entrevista o cara fala q nem marido dela é..(http://www.cafedasquatro.com.br/materia/?cM=227834) ..entao..o que sobra é dizer LAMENTAVEL ter pessoas tao futeis assim no mundo, e infelizmente ali so aparece um pedaço de uma camada que é bem mais extensa.

    ResponderExcluir
  6. Vi no twitter comentários sobre o programa e nem quis ver, coisa mais sem graça. Voc~e disse td ,concordo de verdade. Gostaria muito de saber o objetivo de se fazer um reality deste porte! Vergonha!

    ResponderExcluir
  7. Ser rico demais neste país virou falta de educação, a verdade é essa. Nunca podemos assistir um espetáculo destes sem ficarmos ofendidos. O caso é que a pessoa rica tem todo o direito de gastar (ou não) o dinheiro dela como achar que deve; e nós não temos nada a ver com isto! Dizemos: "Ah, Fulana quer comprar um jato de 30 milhões, mas ajudar crianças carentes, construir casas populares, abrigos, etc., ela não quer, só quer gastar com futilidades! Absurdo!", mas acontece que se ela quer, não podemos impedir, o dinheiro é dela!

    Só que aí existem umas coisinhas muito, mas muito importantes, que se chamam: discernimento, bom-senso, respeito e caridade. E isso, gente, independe de classes sociais e saldo bancário. Já leu "As Vinhas da Ira"? Neste livro, uma das personagens, chefe de uma família de migrantes miseráveis e desempregados, cozinha a última refeição mirrada que puderam pagar com os vinténs que tinham; nisto, um bando de crianças esfomeadas que estavam no mesmo acampamento ficam olhando, silenciosas. O que a personagem faz? Diz: "não posso comer na frente destas crianças esfomeadas, nem deixar minha família passar fome!". E então, serve o mínimo possível para cada membro da família e entrega a panela às crianças, para que dividissem entre si.

    Bom, a migrante miserável demonstrou discernimento, bom-senso, respeito e caridade, não é? E as participantes do tal reality? Nenhuma das anteriores. Isso é o que me incomoda. Elas não são OBRIGADAS a agir assim, mas de acordo com a MORAL, deveriam. Isso é triste.

    A propósito, nada disso se aplica a políticos que enriquecem ilicitamente. Estes deveriam ser presos e espoliados.

    Bjos, excelente post!

    ResponderExcluir
  8. Bruna!
    Realmente a futilidade tem se expandido... absurdo.
    Não vale a pena assistir programas do tipo, mas por vezes, assistir é bom para poder tirar algum proveito, como você fez.
    Muita saúde, paz e amor em seu coração!
    PRÓSPERO ANO DE 2012!!
    Cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  9. Olha flor, eu também assisti o programa, não foi até o final, pois acabei dormindo, mas pelo pouco que assisti percebi que a maioria é muito futil e não sabe dar valor ao dinheiro que tem. Eu, assim como qualquer outra mulher adora gastar, mas a gastar daquela maneira, por favor neh....
    Fiquei admirada com a Débora Rodrigues, foi a unica da qual curti. As outras por favor neh..., uma mais sem noção que a outra.
    Como voce disse: Se conquistou o que tem com muito suor e trabalho, ótimo...mas nao saia por ai fazendo o que essas mulheres fazem.
    Esse programa por um lado é muito bom passar, para mostrar que devemos tomar cuidado com pessoas futeis como elas.

    ResponderExcluir
  10. adorei mesmo assim tem gente que aprecia tais programas né, concordo com tudo amada!
    Tem coisa que é demaix ne por exemplo casaco de pele de animal, isso é um absurdo!
    beijokass

    ResponderExcluir
  11. Nossa que situação !! Pessoas ricas muitas delas não respeitam o próximo e se julgam melhores só por ter dinheiro...

    ResponderExcluir
  12. Minha linda, nem sabia do programa..mas com um elenco destes...
    vamos lá: a tal da Val, ouvi falar que era pobre (e tem trejeitos de) e agora é o que chamamos de 'nova rica'..dai que fica com seus helooosss e aviões e roupas de grifes....tudo bem, deslumbradinha...maseu, sinceramente, não gosto dela..me soa falsa!!!
    A tal de Brunete, é o supra sumo do Ô...feia que é a dor do parto, ridícula com suas bonequinhas - ok, cada um coleciona o que quer...mas exibicionismo tem limites!!!!

    A narcisa 'ai que loucura', até que dá pra aguentar um pouquinha...herdeira muito louca, que adora jogar ovos nos transeuntes, lá do alto de seu apartamento...acho que ela não sabe o significado da palavra limite e tampouco educação...
    a Débora é a caminhoneira???
    Bom, essa não perdeu a educação só porque ficou rica, bem pelo contrário - o que admiro - ela continua lembrando de suas raízes, seu passado e mostra para os filhos os valores que devem ser seguidos...
    De repente, assisto a algum episódio....quem sabe???
    Aproveito para te desejar um feliz e abençoado 2012, com muito amor,saúde e paz!!
    bjs da
    dinda!

    ResponderExcluir
  13. Também assisti ao programa, foi surreal!
    Jesus mesmo disse "E, outra vez vos digo que é mais fácil passar um camelo pelo fundo de uma agulha do que entrar um rico no reino de Deus." Mateus 19:24
    Não que um rico não possa se converter e entrar no céu, mas pessoas que tem o dinheiro como o mais importante em suas vidas, não terão o maior tesouro que alguém pode ter, sua Salvação!

    ResponderExcluir
  14. è amada compartilho dos teus sentimentos,e os programas de televisão são cada vez mais fúteis,tudo parece que gira em torno do dinheiro.
    Glória a Deus que podemos dar uma base sólida de amor,e respeito aos nossos filhos,para que se tornem adultos que façam a diferença.

    Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de odiar um e amar o outro, ou se dedicará a um e desprezará o outro. Não podeis servir a Deus e ao dinheiro. Mateus 6:24


    Bjs
    Luciane Oppelt

    ResponderExcluir
  15. Oi Bruna, não conhecia esse programa. Ler esse post só reforçou uma análise que fiz sobre esses tipo de gente: são extremamente infelizes e frustradas, o que sabem fazer é tentar deixar outras pessoas com menor poder aquisitivo ficarem frustradas também. Acho que nesse caso só conseguiram nossa piedade, tadinhas... Não devemos esquecer que nem todas as pessoas ricas são assim, fúteis. Beijos

    ResponderExcluir
  16. excelente post, concordo com tudo, esse programa é um belo exemplo de como a sociedade está ficando cada dia mais fútil, e as pessoas se importando com coisas pequenas, enquanto deveriam estar atentas a tantas outras no mundo ! parabéns, bjs

    ResponderExcluir
  17. Acompanhei esse post pelo e-mail e fiquei de comentar, mas a questão é: comentar o que, né, gente? Vi a chamada em uma propaganda mas nem me animei. Cada vez mais a TV brasileira se afunda em futilidade/inutilidade.

    ResponderExcluir
  18. Q futilidade esse programa!! Nao consegui assistir 5 min..

    ResponderExcluir

Comenta aí vai... é quando você comenta que eu melhoro o blog e faço ele ficar do jeitinho que você quer ver.